terça-feira, 8 de julho de 2008

Fazer nada. Ou muito (depende do ponto de vista)

Poucas vezes faço "o que me dá na veneta" sem me preocupar com nada.
Não falo de algo irresponsável ou que comprometa alguém ou force uma situação embaraçosa.
Falo de pequenas coisas como passar uma tarde inteira jogando cartas ou vendo minhas filhas jogarem Wii, sem me preocupar com o jantar*.
Ir a uma livraria e passar duas ou três horas folheando livros.
Entrar numa loja de departamentos e experimentar um montão de roupas, sabendo que não vou comprar nada.
Ou apenas caminhar um pouco sob esse solzinho bom de inverno (inverno, aqui?).
Gosto quando me permito algumas horas de "fazer o que me dá na veneta" porque é uma oportunidade de estar apenas comigo, algumas horas de agradável solidão e oportunidade de bater um papinho com minha sombra.
Eta vida boa!!!

*Devo ressaltar que, como sou uma pessoa previnida,sempre tenho comida pronta no freezer.

6 comentários:

Marina Reis disse...

Adoro fazer companhia pra mim mesma.
Gosto dessa idéia de conversar com minha sombra.
.
Vamos qualquer dia desses nos esbarrar nas avenidas de Brasília.
Num buzina não. Dá multa.

beijocas

Rosana Tibúrcio disse...

Há muito tempo não me permito isso. Minto, vez ou outra eu ouço música do jeito que gosto: sentindo.
Seu blog não se atualiza lá no meu, só percebi que há novo post, agora, pelo Guaraná...
beijocas

Rosana Tibúrcio disse...

Um minuto de diferença entre mim e minha filha... urúúúúú

rafa disse...

Adoro coisas inesperadas, atitudes resolvidas em "5 minutos".
A gente sai da rotina, se sente mais vivo!

(E o email que tô tentando te mandar é pra te convidar pra sair da rotina: posta no Guaraná nessa sexta?? hehe Me manda um email: carlosrafael.freitas@gmail.com )

cecília disse...

Não é uma questão de fazer nada ou fazer muito. É apenas o direito de fazer o que você quiser na hora que bem entender. E continue fazendo todas as vezes que sentir vontade. Beijos!

Anônimo disse...

Não sei quem é Cecília, mas assino embaixo.